Quem é você?

“Apresente-se! Diga quem é você!”. Quem nunca ouviu isso no início de algum curso ou de uma entrevista de emprego? Mas afinal, quem é você? Quem sou eu? O que somos? O que nos define?

René Magritte

René Magritte

Pergunta difícil dos diabos! Afinal, podemos tentar definir o que somos pelos bens conquistados, ou pelas experiências passadas, ou pelas características físicas, porém creio que nenhuma delas pode descrever algo tão subjetivo. Nem se você descrever do que é composto, quimicamente. Até estudiosos estudam o que define cada persona.

Todos somos diferentes, porém isso é uma pergunta diferente. Na real “perguntas”, porque o que nos torna diferente são coisas como “o que você gosta”, “o que você faz”, “o que você possui”, “o que você vivenciou”. Isso define alguma de nossas características, mas ainda sim não responde “quem é você”, ou será que responde?

Talvez a resposta seja apenas meu nome, mas e quem possui o mesmo? Talvez eu esteja errado, talvez louco, mas afinal, quem é você mesmo?

Experiência de um empresário júnior

Para os que não sabiam, desde 2011.1 (quando entrei na UFSC) eu participava de uma empresa júnior, no caso a C2E (EJ de elétrica da UFSC). Primeiro como trainee, depois como assessor, diretor administrativo e agora, antes de sair, voltei a ser assessor. Com certeza foi uma experiência que eu não esperava quando entrei na universidade.

Quando você está no ensino médio, estudando para os vestibulares, normalmente se foca no prestígio acadêmico que a universidade tem (“Ah, a UFSC é uma dos melhores do país” e coisas do tipo). Sendo assim, antes de passar, você já está visando os laboratórios disponíveis do seu curso. Porém, quando entrei apareceu a oportunidade da C2E e na época pensei “Por que não?”.

Coisas sutis que matéria nenhuma do curso te ensinará, uma EJ te ensinará e inspirará. Aprenderá a melhorar seus comportamentos como líder, empreendedor, responsável, organizado, gerente, companheiro e por aí vai. Quando comecei, eu era meio desorganizado (e confesso que ainda sou, porém menos) e não sabia dar prioridade as coisas certas, mas após participar de alguns processos e consultorias você acaba por aprender, nem que seja “na marra”. Gerenciar equipes então, jamais, e na C2E eu desenvolvi isso. Liderança e empreendedorismo estavam adormecidos em mim e acabaram despertando novamente.

O mais importante, porém, é a visão que o movimento deixa. A visão de empreendedor, uma visão de futuro. Muita gente da graduação não a possui, só pensa em fazer um concurso ou entrar numa empresa qualquer que pague bem e então “a vida tá feita”. Eu, hoje, não consigo pensar em fazer isso, e caso faça, seria temporariamente, só para acumular patrimônio e investir em algo criado por mim.

Se tiver a oportunidade de entrar numa EJ (nem todos cursos possuem uma), tente! É uma experiência que marcará sua passagem por uma universidade e você obterá conhecimento que, durante todas suas aulas, você não obterá. Afinal, você está na universidade para aprender, logo aproveite.

Reescrevendo

Para quem não me conhece, meu nome é Bruno Luiz da Silva (coincidência o nome do blog ser Bruno Luiz Place) e atualmente estou fazendo engenharia elétrica na UFSC (terceiro para quarto semestre). Já tive vários blogs, alguns de sucesso como o Master Bruno Blog em 2007, enquanto estava na oitava série e tinha apenas 14 anos, e outros nem tanto como o Bit per Bit em 2009, o qual construí após ter parado de postar em blogs durante um ano. Há tempo não escrevo nada, só faço cálculos e programo (por que será?), então talvez esteja enferrujado. Provavelmente pedirei ajuda do auto-corretor do Chrome e do WordPress, se eles aceitarem meu pedido.

Há uns três meses eu estava lendo alguns artigos e eu precisava escrever algo sobre. Eu queria expressar minha opinião, porém meus blogs já não existiam mais (todos eram de tecnologia também, logo não adiantaria) e o meu Posterous estava abandonado. Decidi então que faria um novo blog, mas só hoje decidi abrir o blog. Vocês terão aqui posts sobre tecnologia, filmes, música e programação, que são coisas que normalmente eu tenho vontade de comentar e/ou trabalho com.

Talvez vocês vão discordar do que eu colocarei nos posts, mas como nem tudo é perfeito, a minha opinião daquele assunto também pode não ser. Por isso peço que usem os comentários para podermos discutir a ideia do post. Só aviso para não tentarem usar o espaço para iniciar uma flame war. Diferente de outras guerras, eu posso simplesmente vetar os comentários que estão passando dos limites. Trolls, desculpem-me mas aqui vocês não tem lugar. Voltem para o YouTube.

Caso quiserem updates mais constantes vocês podem me seguir no Twitter. Caso desejarem acompanhar somente os posts daqui sugiro que assinem a RSS do blog (no Feedly ou Google Reader). Não, não tenho Instagram nem Tumblr.

Aguardo vocês, assim como vocês me aguardarão